Pages Navigation Menu
Porque você está vendo estes anúncios? Saiba mais



Kalunga, uma remanescente de quilombo no sertão de Goiás

 

O que significa calunga ou kalunga?

Calunga ou Kalunga é o nome atribuído a descendentes de escravos fugidos e libertos das minas de ouro do Brasil central que formaram comunidades auto-suficientes e viveram mais de duzentos anos isolados em regiões remotas, próximas à Chapada dos Veadeiros. São três comunidades, nos municípios de Cavalcante, Teresina de Goiás e Monte Alegre de Goiás.

A mais populosa comunidade está situada no município de Cavalcante, com pouco mais de duas mil pessoas, distribuídas nas localidades do Engenho II, Prata, Vão do Moleque e Vão das Almas, sendo esta última a mais recente a se integrar no seio do município (cerca de trinta anos).

Mais recentemente alguns estudos têm indicado a presença de calungas também em regiões do Tocantins, nos arredores de Natividade e regiões isoladas do Jalapão.

Durante todo este período, houve miscigenações com índios, posseiros, fazendeiros brancos, e também forte influência de padres católicos, dando lugar a uma cultura hibridizada, característica que se manifesta na alimentação e no forte sincretismo religioso da mistura do catolicismo e de ritos africanos.

A expressão também significa “Tudo de bom” em dialeto banto africano.

O que são os quilombolas?

Quilombolas é designação comum aos escravos refugiados em quilombos, ou descendentes de escravos negros cujos antepassados no período da escravidão fugiram dos engenhos de cana-de-açúcar, fazendas e pequenas propriedades onde executavam diversos trabalhos braçais para formar pequenos vilarejos chamados de quilombos.

Mais de duas mil comunidades quilombolas espalhadas pelo território brasileiro mantêm-se vivas e atuantes, lutando pelo direito de propriedade de suas terras consagrado pela Constituição Federal desde 1988.

fonte: Wikipedia

 

A história de Zé Merenda, levando alimentos em lombo de burro para as escolas nas comunidades Quilombolas

 

Kalunga, uma remanescente de quilombo no sertão de Goiás

Construída pela comunicação oral, a história do quilombo Kalunga ainda guarda segredos. Para entendê-la é preciso voltar no tempo, quando no Brasil não havia estradas, nem liberdade. “O meu avô era kalunga. Esse era kalunga mesmo, daqueles que vinha lá de cima, pra fugir dos patrão, não era?”, conta Dona Joana Torres, de 109 anos, moradora da comunidade Engenho II.

Eram meados de 1700 quando os Senhores Bartolomeu Bueno e João Leite da Silva iniciaram a colonização na região de Goiás (que foi sendo chamada de “minas dos Goyases” – nome de um povo indígena que vivia naquela região, onde havia muito ouro) provocando um processo de povoamento. As populações nativas entre outras, foram escravizadas, destruídas ou conseguiram fugir e procurar novo habitat.

Como precisava de mais mão de obra, os africanos foram levados para a província,  diretamente dos portos de Santos, Salvador e/ou Rio de Janeiro. Eles eram obrigados a “esquecer” suas origens: língua pátria, religião, identidade. Com jornadas de horas debaixo de sol quente, ainda eram vítimas das torturas, do tronco, do chicote, entre outros. E onde havia escravidão, também havia várias formas de resistência. A mais forte delas era a fuga individual ou coletiva, quando formavam os quilombos – o termo é banto e quer dizer acampamento guerreiro na floresta.

E foi assim que surgiu o quilombo no sertão goiano, que abriga hoje, cerca de 4.500 pessoas, na zona rural dos municípios de Teresina de Goiás, Cavalcante e Monte Alegre. Com o tempo, se acostumaram e se ambientaram com o sertão goiano. Venceram as dificuldades do caminho e as condições precárias que o ambiente ofereciam, descobrindo ao mesmo tempo que poderiam utilizar os recursos ali disponíveis para a reconstrução de suas vidas. Chamaram este lugar de Kalunga, o que na língua banto também significa lugar sagrado, de proteção.

Como vivem os calungas hoje?

Desde o período em que começaram a habitar aquelas serras, pouca coisa mudou. Com os seus ancestrais adquiriram os conhecimentos necessários para a sobrevivência naquelas terras. Isso é notado no cultivo das roças e na preservação da natureza. Atualmente, 93% do território kalunga ainda continua intacto.

O carro, por exemplo, não serve no meio daquelas serras. São poucas as estradas que dão acesso ao território, geralmente localizadas nas áreas periféricas. Dentro do Kalunga mesmo, só a pé ou no lombo de mula, uma vez que o cavalo não é ideal para a vida e trabalho dos kalungueiros.

O jeito é encarar as serra e os vãos e seguir a caminhada. É assim que eles fazem para ir as roças localizadas próximas ou muito distantes das moradias. E é a pé que eles levam as ferramentas e trazem a produção de suas roças. É comum ver mulheres, homens e crianças de várias idades andando quilômetros carregando “na cacunda” sacas com ramas e raízes de mandioca, sacas de arroz e frutas que são encontradas no caminho.

Quando localizam uma boa faixa de terra para o cultivo, não se preocupam muito com a distância, pois sabem que é lá que poderão cultivar alimentos para o sustento das famílias. “Com o tempo fica perto, a gente precisa não precisa? Então.”, afirma Sr. Dermetrino Santos, de Vão de Almas.

E assim está sendo feito há quase 300 anos, as distâncias são vencidas pela necessidade de sobrevivência. O frio na época de inverno é enfrentado com fogo e aconchego humano, o abastecimento de água é fornecido pelos rios que banham a região. É preciso ter braços fortes para carregar o líquido vital em latões ou baldes de até 50 litros cada.

Este trabalho pode ser o responsável pela dignidade daquele povo. Gente simples e muito humilde, mas com o coração maior que até o próprio território do Kalunga. Seguem adiante lutando e socorrendo quem precisar no meio do caminho. Eles não se importam com as dificuldades, mas não toleram a pobreza, que beira a todo o momento a vida deles. Mas a todo instante, esta possibilidade é afastada pela força e vontade de trabalho do povo sertanejo que vive no nordeste de Goiás.

A luz é um artigo de luxo dentro do Kalunga, mas hoje algumas famílias já podem contar com este benefício. Muitos outros kalungueiros nunca viram uma lâmpada acesa, a não ser muito longe de seus lares. Mas mesmo assim, eles se viraram ao longo dos anos com a candeia de cera de abelha aratim, que extraem do cerrado, ou de óleo, que buscam na cidade.

Sem luz, não podem ter nenhum eletrodoméstico que facilite suas vidas. Mas eles seguem adiante, com ou sem luz, pois sabem que seus braços e pernas podem suprir esta carência. “Que isso, luz pra modi quê? Aqui, nós tem muita coisa, óia a roça, que bonita. Dorme logo que o dia anoitece e levanta com os galo”, conta dona Lió, moradora do povoado Ema e considerada a mãe do lugar.

Viver no kalunga é coisa para gente forte, de bom coração, trabalhadora, e acima de tudo, para aqueles que tem fé em Deus e no seu trabalho.

Hoje, eles já estão ganhando espaço entre os governantes e é importante que outras pessoas também conheçam os kalunga, mas não como quem conhece algo “raro”, mas com o respeito que se merece. Porque quando o olhar é de respeito, a história agradece.

Sobre o trabalho

O trabalho de campo foi realizado entre os dias 27 de dezembro de 2003 e 16 de fevereiro de 2004 pelos jornalistas Aline Cântia e Leonardo Boloni, sob a orientação do professor e doutor em comunicação, Fernando Resende.

Era época de festas e de chuva. Um tempo em que as pessoas lidam muito com a terra, e portanto, há muito trabalho e esperança para o ano vindouro.É neste período que se dão os festejos do Natal e da Folia de Reis. A comunidade tem um ciclo de eventos baseado nas épocas de plantio e colheita. A agricultura decide muito de suas vidas e faz com que eles ajam de maneira diversa de acordo com o período do ano.

E assim, foi possível acompanhar um pouco do dia a dia desse povo acolhedor e cheio de historias. Durante os dias de convivência com vários núcleos familiares, conhecemos um pouco sobre o modo de agir e de pensar dos moradores, além de acompanhar várias atividades como a produção da farinha, o plantio das roças, a pescaria e a instalação de uma rede de energia elétrica que beneficia hoje, 72 famílias na comunidade do Engenho II, em Cavalcante.

A partir dessa experiência, a proposta é criar uma revista impressa temática – um instrumento para trocas de informação e experiências entre as comunidades remanescentes de quilombo do Brasil, que somam cerca de 700. A partir de uma cultura de comunicação entre os quilombolas, será possível criar pautas relevantes e comuns para a discussão e implementação de projetos de desenvolvimento local. Proporcionar um espaço onde as pessoas poderão refletir e valorizar a própria cultura, além de se informar sobre outros métodos de produção agrícolas, saúde, meio ambiente e cidadania, ao mesmo tempo que também divulgará as suas atividades.

Neste momento, após o trabalho de campo e uma constante reflexão sobre o jornalismo e sua interdisciplinaridade – onde se cruzam estudos como a história e a antropologia – estamos finalizando a produção da primeira edição e em busca de parcerias para a publicação deste m
aterial.

Autores

Leonardo Boloni é jornalista e repórter-fotográfico formado pela Uniube – Universidade de Uberaba, Minas Gerais. Além de trabalhos na mídia impressa diária, vem se dedicando à investigação jornalística cultural.

Entre suas principais reportagens, destacam-se os trabalhos com os índios Xavante do Mato Grosso; a população rural na região sul da Bahia, V edição dos Jogos dos Povos Indígenas, em Marapanim-PA; as festas populares, o Congado e Moçambique na cidade de Uberaba, o carimbó do Pará e o projeto Brasil Quilombola, com a comunidade Kalunga, no nordeste goiano.

Aline Cântia é jornalista, pós-graduada em Jornalismo e Práticas Contemporâneas pelo UNI-BH e mestranda em Estudos Literários pela UFMG. Com experiência de radiojornalismo, também vem estudando a interdisciplinaridade no jornalismo e a produção de grandes reportagens.

Entre seus trabalhos, encontram-se cursos e oficinas de rádio, matérias publicadas em jornais mineiros e nas Revista Super Interessante e Voz – Cidadania e Cultura, locução e produção jornalística na Rádio Itatiaia e mais recentemente, o trabalho no projeto Brasil Quilombola, com a Comunidade Kalunga.

  • Lohane

    isso aki é uma porcaria  nao mostra o que queremos so fala da vida dos outros e qro saber o que quilombo kalunga ve se aprendem a fazer um site que traz as fontes certas….

    • Anônimo

      Olá Lohane, obrigado pela sugestão, tentamos melhorar a página, nos diga se está mais completa agora.

      • Penisvaldo Rola Pinto

        num sei acho ki nem ela leu….

    • Marilia Hist

      Até para criticar é necessário ter educação, seu comentário foi horrível e mostra além da sua falta de educação é claro, o quanto desconhece do assunto  

      • Penisvaldo Rola Pinto

        tu tá falandu kum migo …. ou seja o Penisvaldo Rola Pinto

      • Penisvaldo Rola Pinto

        ôôô sera ki ta falandu kum ela…… xiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii………..

    • Penisvaldo Rola Pinto

      Boooooooaaaaaaaaa mulekinha gostei d + da tua fala …. agora mi diga si tu é bunita pá karailho……..

  • Marilia Hist

    escutei em uma matéria que os kalungas só tiveram ciencia que a escravidao havia sido abolida na década de 1980, vcs sabem me dizer se esta informacao é real.
    obrigada! 

    • Anônimo

      Marilia, já ouvimos esta história mas não achei nada que confirmasse a veracidade dela. Pessoalmente, acho um pouco difícil que seja real.

      • Penisvaldo Rola Pinto

        é pq vc num tá fazendu um trabalho desse tipu num é….

    • Penisvaldo Rola Pinto

      olha si tu num sabi nois tbm num sabi ñ …… mais é mior tu pesquisa du q ficka isperandu resposta…….

  • Omurilolindo

    e muito real

    • Penisvaldo Rola Pinto

      ………e é legal pa karai num é……..

  • Larissamoteirogomes

    voces dois souberam escrever bem este texto sobre kalunga remanesente de quilombos no sertao de goias gostei dimais desse texto aline cantia e leronardo bolino nao conheso voces mas posso ver por esse trabahlo de voces dios sao um sautores de decadas de profissonalismo um beijos pra voces ata outro texto

    • Vanessa

      Oii amiga vea tb?
      vc quer ser minha amiga?de ondevcé mana vea?sou de aracaju serjipe mana.thal mana até um dia…

      • Penisvaldo Rola Pinto

        oi menina ki num kunheço tudu bem tu é bunita?

    • Penisvaldo Rola Pinto

      bla bla bla bla bla ……. tu é um puxa sacu em ….

  • Vanesa

    isso é muito demorado veiii!mas é legal estudar vc não acha?tb meu nome é vanessa e eu tenho 11 anos e aqui na minha escola a nota maxima é 30 ai eu tirei 27 em portugues,28 em geo,30 em história,21 em mate,30 em ingles,22 no simulado,29 em ciencias e 29 em artes não é legal as minhas notas cara!!!!!!!!!!

    • Gabriela

      -é nos vanessa so notoes mais matematica eu tirei 27 u.ú é uma das materias ki eu mais gosto incrivel né kk….

      • Penisvaldo Rola Pinto

        Noooooosaaaaa tu ééééé´burrraaaaa pá carai i isso num tem nada a vê kum site

    • Penisvaldo Rola Pinto

      ñ num achu ñ

  • Sou Joani Santos

    Que deveria ser,    

     desemvolvidos para que a comunidades seria  com mais ooortunidades muito orgulhos

    • Penisvaldo Rola Pinto

      pra q minha fia isso só vai kumplika seu trabai….. num preocupa kum isso ñ … falô …..

  • Fredsan

    Gostei muito do site dos dois e tenho interesse em saber mais sobre tal cultura. Como posso fazer pra colher mais informações atuais sobre kalungas? Grato e sinceramente me encantei pelo assunto valeu a soma e boa sorte nessa caminhada……. 

    E quanto aos críticos, faz parte,  aprendi uma coisa na vida, que quando se critica algo, você tem que vir com a solução.

    Parabéns ela atitude e pelo trabalho.

  • Guilherme

    muiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiito chatooooooooooooooo

    • Penisvaldo Rola Pinto

      É isso ai mulekim é chato pá carailho…. i não mi corriji

  • Poli080498

    podai ter mais dados cm o tanto de genta etc…
     

    • Penisvaldo Rola Pinto

      oooo seu troxa pq não koloka u sê…..

  • http://www.facebook.com/honorato.jesus.9 Honorato Jesus

    Parabéns pelas matérias sobre Kalunga, mas como Angolano Bacharel em Teologia e Mestrando em Missiologia quero aqui deixar a minha contribuição informamdo que Kalunga é uma palavra da Língua Kimbundo do sul de Angola e da Capital Luanda (minha língua paterna e da cidade aonde nasci)que realmente quer dizer muitas das coisas aqui descrita, mas não existe povo em Angola denominado Kalunga, no entanto afirmo que a palavra Kalunga veio com os escravos Angolanos trazidos pelos portugueses, Portanto já que não sabiam o que significava Kalunga quando eles falavam então crio-se outros significados pelos brancos, índios, se quiserem saber mais é só contactarem qualquer Angolano aqui no Brasil que fala Kimbumdo que vos ajudará muito.

    Atenciosamente.

    Missionário Angolano no Brasil.

    Honorato de Jesus Sabi Miguel.

    • Penisvaldo Rola Pinto

      gostei de tu e apesar das brincadeiras ki fiz, i vo continuar, eu pesso desculpa pur tudu e seu site é otimu valeu pela ajuda i tenhu certeza ki meu trabai vai tê sucesso …. valeu….

  • Penisvaldo Rola Pinto

    oooolaaaaa galeeeraaaa eu sô u Penisvaldo Rola Pinto i vô fazê sacanagi….. cuidado …..

Adsense
Anúnios (via google adsense)