Pages Navigation Menu
Porque você está vendo estes anúncios? Saiba mais



Padre Giaccaria, elo entre a Igreja e os índios

Seguindo a tradição de catequização da igreja Católica, a ordem dos Salesianos atua no Mato Grosso desde 1894. Alguns dos primeiros religiosos que estiveram na região sofreram fins trágicos, como os padres João Funcks e Pedro Socilotte, massacrados pelos Xavantes. Apesar disso, as missões continuaram no início do século XX, contatando povos como os Bororos, Carajás e empreendendo seguidas tentativas de atração dos Xavantes. Padre Hipólito Chovelon, Mestre Francisco Fernandes e Padre Pedro Sbardellotto, são alguns dos que visitaram o território desde o final da década de 1930.

padregiaccaria.jpgO Padre Bartolomeo Giaccaria, italiano naturalizado brasileiro, continua esse trabalho, com mais de 45 anos de experiência entre os Xavantes. Pós-graduado em antropologia pela Universidade de Brasília em 1980, o pároco é autor de diversos livros como “Xavante, Povo Autêntico”, “Jerônimo Xavante Conta”, além de cartilhas e projetos de educação envolvendo os índios e suas tradições. Entre suas publicações mais conhecidas, está o primeiro dicionário Xavante-Português, uma iniciativa pioneira escrita em 1958.

“O maior absurdo é que várias das plantas nativas que utilizo em meu trabalho estão patenteadas pelos americanos”. Foto: Fábio Pili

Além da produção acadêmica, padre Giaccaria, 69 anos, desenvolve pesquisas com plantas medicinais, especialmente com espécies nativas do cerrado. Trabalhando num pequeno herbário montado em Nova Xavantina, ele prepara emplastos, xaropes e outros remédios naturais. “Esta foi uma maneira de contornar os problemas do abastecimento farmacêutico na região e nas aldeias”, explica o padre.

Grupo – Em que ano o senhor começou seu trabalho entre os Xavantes?

Pe. Giaccaria – Eu vim para o Brasil em 1954 e passei dois anos em Campo Grande. Só em 1956 é que vim para a Missão de Sangradouro, onde trabalhava como professor. Lá nós ensinávamos aos filhos de fazendeiros de cidades vizinhas, como Poxoréu e Barra do Garças, além dos índios bororos. Mas nesta época os bororos já estavam sumindo, eles foram todos dizimados ou aculturados. Logo depois, em 57, comecei a trabalhar com os xavantes.

Grupo – Nesta época o senhor conheceu o trabalho da Expedição Roncador-Xingu e dos Villas Bôas?

Pe. Giaccaria – Para mim eles encaravam o índio como um obstáculo ao progresso. Acho que o trabalho dos Villas Bôas era limpar a região para o desenvolvimento, eles ligavam mais para este progresso. A idéia era fazer obras como a estrada Cuiabá-Santarém. Eles também nunca permitiram a presença de padres dentro do Parque do Xingu, então não sei ao certo como é a situação dos índios lá dentro.

Grupo – Como o senhor encara a filosofia de trabalho da igreja naquela época e hoje em dia?

Pe. Giaccaria – Quando em vim para o Brasil tínhamos uma visão muito romântica e fantasiosa da região. Na época o trabalho da igreja era no sentido de integrar o índio. Hoje, nós deixamos isso de lado, mas esta é uma questão muito complexa. Não dá pra falar assim. Nosso trabalho atual é de explicar melhor o porquê das coisas. Além disso, respeitamos a maneira como eles expressam seus ritos. Nas missas usamos cantos tradicionais deles e eles mesmos se organizam para fazer um batizado, por exemplo. Existe até um índio que vai se tornar padre, o nome dele é Aquilino. Portanto, eles incorporam tudo isso. Boa parte do meu trabalho visa a preservação cultural, especialmente da língua indígena. Por isso produzi a primeira cartilha bilíngüe Xavante-Português. Neste sentido, nos esforçamos para prepará-los melhor para o contato com os civilizados. Os choques culturais são inevitáveis, mas não adianta isolá-los.

Grupo – Porque o senhor começou a trabalhar com plantas medicinais?

Pe. Giaccaria – Pela necessidade. Eu via crianças com feridas nas mãos, velhos com problemas de reumatismo e não havia muito suprimento de remédios para ajudá-los. Então, comecei a ler e estudar sobre as propriedades de cada espécie. Preparo um emplasto, por exemplo, que é bom para quase todo tipo de problemas de pele no qual uso cerca de 15 plantas como babosa, hortelão, orégano e própolis. Dessa forma, atendo a cerca de 80 aldeias com mais de 12,000 xavantes. O maior absurdo, porém, é que várias das plantas nativas que utilizo em meu trabalho estão patenteadas pelos americanos. São plantas aqui do cerrado, utilizadas pelos índios a milhares de anos, como o urucum, a sucupira e o quebra-pedra. Essas são apenas as que eu lembro agora, e eles ainda estão estudando outras sete mil plantas brasileiras.

  • Biel_arthur

    muito antes do branco chegar no Brasil os índios já tinham sua religião. Ainda hoje eles mantém sua religião e suas crenças…. Acho errado a igreja católica impôr a eles algo que eles já têm!

  • Alba Ferraz

    conheci esse grande homem em 1984 em sangradouro!!1 saudade!!!

Adsense
Anúnios (via google adsense)